sexta-feira, 5 de julho de 2013

Victoria II



Victoria II  é um grand strategy game desenvolvido e publicado pela Paradox Interactive, sendo um dos seus maiores títulos junto com Crusader Kings e Europa Universalis. Em Victoria o jogador controla uma nação dos anos de 1836 até 1936, devendo cuidar de varias aspectos como diplomacia, política, industrialização e guerra.

Victoria é um jogo complexo e com uma grande profundidade em todos os elementos que ele apresenta ao desenvolver sua nação. Mas isso é um dos  grande charmes deste tipo de jogo, que tem um publico fiel e muito dedicado.

Atualmente Victoria II tem duas expansões, A House Divided, que tem a guerra civil americana como principal tema, e A Heart of Darkness, onde o foco é a colonização da África. 
O mundo em 1836, está e a tela de seleção de País quando começa o jogo.


Ao começar o jogo você deve escolher uma nação, todas as nações do mundo estão disponíveis. As  nações estão divididas em 4 grupos, Great Power, que são as 8 nações mais poderosas; Minor Power, que são as próximas 8 nações mais poderosas; As Civilizadas, que são todas as outras nações ocidentalizadas; e por fiz as não civilizadas, que são países não ocidentalizados. 

O grande objetivo do jogo é fazer sua nação ser a maior entre todas, e isso é medido através de 3 parâmetros bem claros: 

O seu prestígio, que representa o quanto sua nação é bem vista entre as outras. Você ganha vencendo guerras, com diplomacia, investindo em tecnologia de cultura e em eventos especiais.

Seu poder industrial, que representa a força da sua industria. Quanto mais industrias houver em seu país, mais poder industrial você tem.

E seu poder militar, que representa o tamanho e a qualidade das suas forças armadas. Aumenta conforme você for recrutando soldados e for melhorando suas tecnologias militares.
Sardenha-Piemonte é uma boa escolha para um jogo, há a possibilidade de reunificar a Itália.

Apesar de ser bem claro como chegar ao topo, não é tão simples fazer isso acontecer. Um dos elementos mais importantes de Victoria II é a população de sua nação, sendo a base para vários pontos deste jogo. 

Ela influência o quanto você ganha de dinheiro, o numero de soldados que se pode recrutar para o exercito profissional,  a velocidade das suas pesquisas,quantas pessoas podem trabalhar nas fabricas e outras coisas.

E a população não é uma massa uniforme, mas um conjunto de varias espectros, como profissão,grupo étnico, ideologia, religião e muitos outros fatores.

O sistema político apresenta varias formas de governos, como monarquias absolutas, monarquias constitucionais, democracias e ditaduras.  Sendo que cada uma apresenta características próprias, como permitir ou não eleições, intervir no governo ,permitir reformas e mais outras opções.
Na tela de população você pode ver todas as informações referentes a população de seu país, há muita coisa para você verificar a tomar decisões.


Há um senado nos países,Upper House, que reflete as ideologia das sua população. Assim um população mais liberal tente a manter um partido liberal no poder. Isso influência como você controla sua nação já que liberais não deixam você, o Estado, criar fabricas. Já quanto há comunistas no poder apenas você pode construir fabricas.

Nas ditaduras todos os outros grupos não são representados na Upper House, mas ainda estão presentes na população, o que pode levar a uma grande revolta. As formar do governo podem mudar de forma mais pacifica através de algum evento, ou por uma revolução. Alguns países tem eventos próprios,como a Unificação Italiana e a Guerra Civil Americana.
Alguns grupo políticos tentam chegar ao poder através de revoltas, como os anarco-liberais, comunistas e fascistas.

Outros eventos dão oportunidades para alterar um pouco as ideologias da a sociedade, e durantes as eleições, caso o sistema político permita, há uma quantidade maior de eventos para este fim.

A população também pode fazer pressão para reformas políticas, para isso é preciso fazer que a militância delas aumente até o ponto que os partidos  se sintam pressionados a votarem por mudanças,caso contrario uma revolta pode acontecer.

Há dois tipos de reformas no jogo. As sociais, que aumentas os direitos dos cidadãos, e as reformas políticas, que aumentam  os direitos políticos. Quanto mais avançados sua reformas estão, maior é a atração de imigrantes para sua nação, fazendo sua população crescer mais rapidamente e alterando sua formação com o tempo.

O jeito que você conduz seu povo, e como você vai direcionado suas ideologias influenciam muito o jogo, assim é recomendável já ter em mente como você pretende guiar com sua nação.
Durante as eleições há debates políticos, onde você pode mudar a ideologia da população de uma província.

O população também tem trabalhos, assim você pode ter uma país onde a maioria do povo é composta de fazendeiros e suas principais commodity sejam produtos agrícolas.

Para aumentar seu poder industrial você deve pesquisar tecnologias da indústria. Além disso você pode incentivar a classe mais rica na nação a investir, ou fazer isso você mesmo. 

Você pode cobrar poucos impostos dos mais ricos, para que eles ficam mais ricos e poderem investir. Outro modo é ser um país com um partido no poder que te permita fazer isso pessoalmente, como os conservadores. Com os comunistas só você é permitido criar fabricas.

Ao construir as fabricas o melhor lugar é onde tenha os recursos que ela precisa. Cada tipo de fabrica pede algum tipo matéria prima e produz outra, que pode ser usada por outra indústria. 

Caso haja ferro em uma província, lá é um lugar ideal para se fazer  uma siderúrgica,e depois abrir fabricas que usam aço. Sempre é melhor construir uma indústria onde tenha fácil acesso a recursos.
Na tela de produção você pode ver as fabricas em cada província, os investimentos estrangeiros, sua produção e projetos para novas fabricas e estrada de ferro.
É comum os países não terem tudo que precisam, o que leva a importar a matéria prima de outra nação. Caso tenha falta no mercado internacional é possível ainda a paralisação da produção. 

Há um fluxo comercial no jogo, onde os recursos são primeiramente usados pelo mercado nacional,  o excedente é colocado num mercado mundial para os outros  países comprarem.

As nações que tem maior prestigio tem acesso primeiro ao mercado mundial, deixando outras com acesso as sobras, ou mesmo nada. 

Para evitar problemas há possibilidade de se conquistar novos territórios. Através da guerra, ou da colonização.

Colonização está presente no jogo, para isso a nação deve ser um Great Power ou um Minor Power, além de desenvolver as tecnologias que dêem condição para colonizar territórios mais hostis.
Alguns eventos permitem ganhar Prestígio, aumentar ou diminuir militância e consciência da população e mudar  a visão política delas.
A guerra no jogo é simples num ponto, já que você só deve formar exércitos e mandá-los lutar contra outros, ou ficarem conquistado territórios inimigos. O que é complicado é como fazer a guerra e quais suas consequências.

Para declarar  guerra você precisa ter um motivo, casus belli. Por exemplo, territórios que  pertença a sua nação estejam sob o controle de outra. Com isso você pode declarar guerra para recuperar aqueles territórios. 
A janela inferior esquerda mostra o desenrolar da batalha. A luta termina quando um exercito e destruído ou quando a moral de um deles zera e eles fogem.

Para ganhar você deve somar pontos de War Score  até atingir o necessário para reivindicar uma vitoria com concessões do inimigo. O War Score você ganha ao vencer batalhas e ocupar territórios inimigos. Ao terminar a guerra caso tenha sido vitorioso, você ganha os territórios que  foram o motivo da guerra, mesmo que tenha ocupado todos o pais inimigo.

Caso você não tenha um motivo você pode ainda criar um, mas isso pode gerar infâmia caso você seja descoberto. Com uma infâmia muito alta outras nação podem ficar mais propensas a te atacarem, alem disso sua população fica mais irritada, o que pode acarretar em uma revolta.

O jogo limita um pouco as guerras, sem contar que perder uma é algo que pode ser muito catastrófico. Por este ponto poder ver que Victoria é mais um jogo político que de guerra.
Nesta batalha a Grã-Bretanha teve um dos seus exércitos dizimados, dando 6 pontos de prestigio para a Itália e mais 10 pontos de War Score na Guerra.

Um ponto interessante do jogo é que as nações são diferentes em escala de poder no inicio do jogo. Normalmente jogos tendem a balancear os participantes, caso do Civilization, onde toda nação começa igual e seus bônus tendem a serem equilibrados.

Já no caso dos Jogos da Paradox, as nações são muito assimétricas, o que neste tipo de jogo é algo bom. É muito divertido começar com uma nação mais fraca e trazê-la ao clube dos Great Power, você deve lutar em varias frentes contra vários Golias.

Ser bem sucedido da uma grande sensação de vitoria, mesmo que você não seja a força numero 1 do mundo.

Jogar com uma das mais fortes também é muito legal, já que você deve lutar para aumentar seu poder e diminuir a dos outros. Entrar em uma guerra sem nem um ganha pessoal, apoiando outra nação mais fraca, apenas para ver outra enfraquecer.

Jogando com uma nação menor é bom procurar uma Great Power para ajudá-lo a atingir seus objetivos contra outra.
Ao terminar o jogo você o Ranking das Nações, embaixo você vê a posição da sua e alguns informações sobre ela.

O mais legal é que Victoria II é um jogo bem aberto, e você nunca vai jogar duas partidas iguais, mesmo que escolha a mesma nação. 

A IA do jogo simula as ambições de cada nação, o que deixa o desenvolvimento do mundo ao longo do jogo muito dinâmica e imprevisível. Há algumas tendências, mas  sempre algo diferente acontece no jogo.

Victoria II é um grande jogo, com uma profundidade que agrada muito fãs do gênero. Cada partida é diferente, e há muita possibilidades para se explorar. É um jogo que vale a pena ser jogado.