segunda-feira, 4 de março de 2013

March of the Eagles



O mais novo jogo de estratégia da Paradox Entertainment, mesma produtora das series Europa Universalis, Crusaders King e Hearts of Iron entre outros títulos. O jogo utiliza a Clausewitz Engine, criada pela própria Paradox para este tipo de jogo. Os gráficos estão mais polidos e refinados mostrando um maior polimento da engine.
Em March of the Eagles(MotE) o jogador controla as nações européias durante o período das Guerras Napoleônicas, no jogo sendo de 1805 até 1820. Para quem está acostumado com outros títulos da empresa, onde o período de tempo são séculos, 15 anos pode parecer pouco.Mas MotE tem como objetivo uma partida rápida e diferente dos outros títulos que não há um objetivo definido,Mote tem objetivos claros e diretos.
Menu inicial  do jogo onde se escolhe com qual nação jogar. Os 8 Brasões na parte de baixo são as grande potências, e as únicas com possibilidades de vitoria.

O grande objetivo do jogo é se tornar a potência hegemônica da Europa, sendo a nação com maior poder militar, tanto por terra quanto por  mar. Para atingir tal objetivo o jogador tem de conquistar cidades chaves,sendo que uma cidade só conta para hegemonia por terra ou por mar. Outro jeito de vencer e ser a nação com maior prestigio entre todas. O jogador pode escolher qualquer nação que esta no mapa do jogo, mas apenas as 8 grandes potências (França, Grã-Bretanha,Rússia,Espanha,Áustria,Prússia,Otomanos e Suécia) podem ganhar o jogo, já que só elas possuem listas de cidades para controlar. Sendo que são as únicas também com poder real de enfrentar as outras nações.

Na tela de overview ,na aba de Dominancemostra os territórios que você deve controlar para ganhar o jogo.







MotE é focado praticamente na Guerra, sendo que raramente usei a aba de diplomacia para qualquer coisa que não fosse declarar guerra ou pedir paz. O que poderia ser uma coisa ruim, mas o grande charme de MotE são as campanhas militares. A única coisa que sinto falta é a formação de alianças, já que a única opção de se unir com outras nações é formando coalizões contra a nação que está liderando a dominação por terra ou por mar e apenas quando ela esta em guerra com você.
Como a guerra é o foco de MotE, nota-se o trabalho feito na mecânica de combate, onde existem muitas opções para o jogador formar suas tropas, escolhendo entre vários tipos de brigadas. Há uma grande importância no modo que o jogador vai formar seus exércitos, as táticas que  suas tropas vão usar tem requisitos de tipos brigadas,por exemplo "Up the Guard" as tropas tem de ter 10% de soldados do tipo Guard e mais 15% de artilharia,cavalaria ou infantaria.
Além da composição das tropas é possível escolher generais para cada flanco (esquerdo,centro e direito) e reserva, sendo este último o principal  dos 4 generais que formam uma tropa.

Estaé o menu detalhado da formação da tropa. Aqui você organiza e escolher astáticas que suas tropas usaram.

Durante o combate as táticas podem ativar eventos especiais ,que causam bônus para as tropas que as  ativaram, tanto suas quanto do inimigo.
Um ponto dos aspectos mais legais do combate é que não há garantia de vitória de um exército só porque eles superam o inimigo numericamente. Assim, é comum num exército com melhores generais,  vantagem de terreno e outros bônus derrotar um exercito 3-4 vezes maior. E mesmo quando um exercito maior ganha ele pode sofre uma Vitoria de Pirro.
Nunca se deve mandar uma tropa, mesmo que enorme, sem comandantes.


Vitoriade Pirro, perdi tantos soldados nesta batalha que não consegui me recuperardepois.



O grande problema no jogo esta nas batalhas "ping-pong", um exercito derrotado se move para outra província, você segue eles e os derrota mais uma vez, mas ainda há soldados vivos e ai eles movem para outra província, você segues eles e os derrota mais uma vez e faça isso até eles forem destruídos totalmente ou você não tiver mais vontade de segui-los. 
Outro problema é que as vezes as tropas derrotadas se retiram para o interior dos territórios inimigos, ao invés de irem para as fronteiras ou mesmo para território aliado, o que não é muito lógico para soldados que estão tentando fugir.
O sistema de tecnologia é um outro ponto positivo, com destaque para as "idéias nacionais"  escolhidas pelo jogador  a cada 200 pontos de inovação.Todo mês as nações ganham  15 pontos básicos mais modificadores, que podem ser eventos ou alguma idéia nacional como "Prussian Education System " que da mais 10 pontos de idéia todo por mês para a Prússia.
Menu das Ideais nacionais, que seriam as tecnologias das Nações.
 As batalhas também geram pontos de idéias, e é aqui um ponto muito interessante de como estes pontos são gerados. Se ganha mais pontos conforme mais baixas você tenha durante um combate em relação ao seu inimigo, ou seja, quando mais soldados você perder durante uma batalha mais pontos de idéia você ganha. Se você tiver uma vitoria esmagadora não ganhara pontos extras, mas o inimigo pode ganhar até 30 pontos nesta batalha. Este sistema representa as reflexões que o generais podem ter pela experiência do combate. Além de impedir que se abra um abismo muito grande entre as nações que começam ganhando guerras  em comparação aquelas que as perderam.

Avisode resultado de Batalha, a lâmpada mostra os pontos de idéias ganho nas batalhas.

As 8 grandes Potencias tem um grupo de ideais nacionais únicas, que são muito boas normalmente sendo sempre bom pegar todas elas.

A musica do jogo é muito boa, sendo bem agradável de ouvir até quando não se está jogando.
March of the Eagles é um ótimo jogo de estratégia, focado nas grandes campanhas militares de Era de Napoleão, tem um sistema de batalha bem feito, ótimo sistema de tecnologia, musicas muito agradáveis. Espero que algumas coisas presente neste jogo esteja também no Europa Universalis IV.